Os trabalhos de arquitetos e artistas modernistas foi o ponto de partida para o desenho da coleção. Regaste de formas lúdicas e orgânicas utilizadas por Burle Marx em seus projetos paisagísticos, as linhas sinuosas que Niemeyer usara no projeto de sua residência (Casa das Canoas), a leveza e beleza dos elementos do Instituto Moreira Salles projetada por Olavo Redig de Campos, traços leves e fluídos dos painéis de Portinari, entre outros. 

 

Composto por uma caixa de vidro incolor bronze, estrutura em latão polido, portas em vidro laminado canelado e puxadores redondos em vidro bronze. A porta possui um desenho orgânico e “sangra” os limites da caixa.  É um resgate dos móveis de guardar bebidas, copos, louças e outros objetos para jantar, trazendo uma memória afetiva pelo uso de materiais e peças comuns nas casas brasileiras de outrora.

 

São Paulo, 2017.